Terça-feira, 1 de Junho de 2004
jesus em peles
Lamento ter aquilo que não sonho, respiro livremente como o direito de ter nascido sem pensamentos, amo o que não tem sentido e sinto o amor como uma perda. E tive a certeza de ter sentido, de ter tocado a infinidade do prazer, ter querido olhar para ti, e tu, a meu lado, cegamente me seguiste, pobre mulher amada, perdida na sua ingenuidade quase infantil, enforcada de amor, sentiste o pesar da minha alma vazia.

O meu cadáver imune ao sentido, enterrado em si próprio, devorado, descrente, que odeia ser a tua lágrima, em noites de solidão.
Que terra desesperada me enlaça nos teus desejos, que sonho perfeito passeia no meu inconsciente Leva.me amor antigo para longe das loucuras que esperam as chuvas doces de um inverno púrpura, sente o perigo que vem na brisa fria, e consome as vontades.

neste dia serpenteado de medo onde nos encontramos a flutuar na angústia, desejo o tardio amanhecer e as forma negras da noite que dançam nas vidraças envolta no perfeito clarear de um dia qualquer, as cortinas brancas, imóveis, olhos entre.abertos
como que a pedir consciência repousavam nas sombras de um qualquer pormenor frio.

A posição fetal, com que ensaio mais um dia sem vontades próprias, sem pensamentos transcendentes, a respiração compulsiva que me atordoa a mente, silenciam a imaginação que um dia viu nascer.me. o vácuo transforma.me numa alma inerte, e só as entranhas me transformam num homem, só o teu sentido inocente.


Sofro com a monotonia da noite, aquela que um dia nos criou, semblantes carregados de inocência crentes que a estética da alma é tão insignificante como o dom da palavra em seres sem sentimento. Discuro o pensamento em função de um sentido abstracto invoco leis verdadeiras, temporais, desfeitas pela fraca memória dos antigos poetas.

Esta vil tristeza que enterra o meu direito de sonhar a realidade, e nos faz cruzar caminhos do mal, poeirentos, de tão seco o sol se põe. Caímos em quadros pintados com cores vivas, que injustamente nada tem a ver com o azul desbotado que o criador usou. AH! Espírito medíocre, da-me um abraço mesmo pálido, vazio,
como a uma oliveira morta, sofrerei somente na pele a violência do toque..

Agora as amargas farpas de egoísmo que me rasgam a alma em pedaços ilegíveis
só me contemplam a saudade de ter amado. Houvesse um relógio parado nesta hora, sentiria a mais profunda tristeza por estar para sempre só.



Texto da responsabilidade de jesusinfurs às 02:29
link do post | Digam de vossa justiça | favorito

É favor não mexer aqui, perigo de explosão
pesquisar
 
Maio 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30

31


Estes foram os ultimos

Sempre a sumir

Sim eu sei, que tudo são ...

E depois da Perfeição?

Politicas a metro...

Os 80's à Beira Mar Plant...

Amsterdam

O Amigo Secreto

Ins Kino Gehen...ou qualq...

Regresso ao Futuro

A ordem natural das coisa...

Aqui estão os antigos, cuidado com o pó

Maio 2009

Abril 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Junho 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Concorrência
Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds