Terça-feira, 24 de Janeiro de 2006
Desta vez é que foi
E pronto lixaram isto tudo outra vez. É impossível não ficar desiludido com estas eleições, mas também que já teve um Paulo Portas Ministro da Defesa e um Santana Primeiro Ministro já aguenta tudo, apesar que um Cavaco Presidente é dose forte. Fechou-se uma porta na história e deixou-se para trás aquela estirpe de Presidentes com pinta de avôzinhos, afáveis. Podia-se não gostar do Primeiro Ministro (o português nunca gosta do Primeiro Ministro, mesmo que seja seu pai) mas gostava-se sempre do Presidente. Representava sempre aquela personalidade inatacável, que tínhamos orgulho de enviar a Conferências e Reuniões Internacionais. Foi sempre o último refúgio da sensatez e da coerência nacional.....foi.... (reparem que utilizo o verbo no Passado, acho que se diz Pretérito Perfeito). Tudo isso irá passar para os livros de história quando o primeiro Presidente de direita tomar posse. Ontem li um artigo de opinião no jornal Record (fiz um intervalo na leitura do Financial Times) em que dizia “com esta eleição os portugueses pagaram uma divida de gratidão por tudo o que Cavaco fez pelo país”... só se esqueceu foi de referir o que é que ele fez pelo país, provavelmente esqueceu-se.... Cavaco sempre foi uma luz ao fundo do túnel......mas é a luz do comboio que vem em nossa direcção.
PS - Este é o 2º artigo sério seguido, prometo não repetir


Texto da responsabilidade de jesusinfurs às 13:09
link do post | Digam de vossa justiça | favorito

5 comentários:
De Não sei como me chamo a 24 de Janeiro de 2006 às 18:21

No Domingo tivemos aquilo que uma boa parte escolheu. Tudo muito saloio. Medíocre.
Não há dúvida que o homem prometeu tudo, desde empregos para a juventude até lares para velhinhos. E há gente que acredita ! O Sócrates que se ponha a pau porque todos os sucessos que ele possa vir a ter, o Professor vai dizer que
foi ele o grande pensador.
Viva a República mas não com este Aníbal!
A. Sousa
A.Sousa
</a>
(mailto:Asousa@hotmail.com)


De Não sei como me chamo a 24 de Janeiro de 2006 às 18:14
Ai está o homem que ainda em tempo de eleiçoes ja mandava bitaites po ar em ajuda dos empresarios internacionais... Pois esse colunista do Record se descrevesse o que o cavaco fez, tinha que se contradizer, ou entao n ter dito nada foi o resumo do que o cavaco fez de bom. Quanto à abstenção... secalhar 80% da abstençao faria com que daki a umas semanas fosse dada a maioria ao Alegre, muitos suspiros se ouve na rua "se soubesse tinha ido votar"... Mas também, quando um país que se diz desenvolvido ainda tem uma taxa tao elevada de analfabetos, tudo é possivel.Makiavelico
</a>
(mailto:claudiomakiavelico@hotmail.com)


De Não sei como me chamo a 24 de Janeiro de 2006 às 17:25
..e uma montanha pariu um cavaco.. só me resta dizer: cavaco vai para a puta que te pariu!! willy billy!!!psicocandy
</a>
(mailto:saboneteazul@hotmail.com)


De Não sei como me chamo a 24 de Janeiro de 2006 às 17:15
Sim a parte do Soares e do Louça está bastante correcta. Alias, acho que é altura do Louçã mudar o discurso porque as pessoas ja o começam a achar repetitivo (e com razão). Por outro lado esqueci-me de referir a abstenção, uma vergonha num país democrático. La voltamos á velha história da "cultura democrática" que não existe em Portugal.Jesusinfurs
</a>
(mailto:mickeylucas@sapo.pt)


De Não sei como me chamo a 24 de Janeiro de 2006 às 13:27
Epá, acho que nem tudo foi mau nas eleições, o Marocas levou uma abada da qual não se esquecerá e mais, o meu candidato, Jerónimo de Sousa, deixou o Louçã a KMs e ainda arranhou Mário Soares...Cavaco não é o D.Sebastião mas pode ser que faça alguma coisa por nós, nem que seja chatear um bocadinho o governo PS.
[[[]]]

ASTo Simas
(http://www.ostresporquinhos.blogspot.com)
(mailto:tosimas11@sapo.pt)


Comentar post